Eu? Discípulo?

 

 

Leonardo Félix

 

 

 

Você já parou para pensar como é difícil ser um discípulo de Cristo? Quando se toma a decisão de seguir a Cristo também se toma as características de ser como ele é. Isso trás implicações sérias sobre a vida.

Conheço algumas pessoas que estão iludidas, achando que ser cristão é fazer parte de um povo que se ajunta numa igreja. Se perguntarmos a essas pessoas o que significa ser cristão, teremos as mais diversas respostas.

Os discípulos de Jesus eram uma categoria em paralelo aos religiosos de sua época. Enquanto os fariseus e escribas pintavam em seus exteriores uma imagem de homens justos, os discípulos de Jesus deveriam viver uma religião autêntica. Ou seja, deveriam ser íntegros, sem desvios de caráter.
A Palavra de Deus ensina como ser um verdadeiro discípulo de Jesus. É por ela que a vida pode ser classificada de cristã, ou não.

Gostaria de atentar com você para algumas marcas notórias na vida de todo cristão:

 

Primeiramente, um cristão é cumpridor dos preceitos que ensina. Jesus condenou o comportamento dos Mestres da lei, que negligenciavam o que ensinavam (Mateus, 23: 3).
O ditado popular: “faça o que eu digo, mas não faça o que faço” não cola na vida de um discípulo de Cristo. Principalmente, na vida daqueles que ensinam a Palavra de Deus. Os preceitos de Deus são vida para quem os ensina e para quem os recebe. Por isso, não pode haver separação entre vida e conhecimento.
O cristão também é alguém que realiza as suas obras no desejo de agradar a Deus (Mateus, 23:5). Não é difícil encontrar pessoas que estão preocupadas no que os homens irão dizer de sua mensagem, do seu louvor, ou de quaisquer outros atos que faz para Deus. Não é assim na vida de um seguidor de Cristo.
Uma vez que o discípulo está convicto da vontade de Deus não há porque temer as opiniões. Que zombem, e/ou critiquem, o importante é que Deus seja glorificado.
A modéstia entre os homens também é uma atitude relativa ao cristão (Mateus, 23:6-7). Numa época marcada pela concorrência, o desinteresse pelos lugares de destaque parece um discurso ultrapassado. O desejo dos fariseus era alcançar a glória entre os homens, e não agradar a Deus. Não deveria ser assim na vida de um seguidor de Cristo.
Por fim, os cristãos imitam o serviço de Cristo (Mateus, 23:10-11; cf. Filipenses, 2:7,8). A palavra de Deus descreve Jesus como aquele que serviu ao mundo com a sua vida para dar perdão aos pecadores. A cruz do Calvário coloca de forma explícita o amor de Deus pela humanidade rebelde. Esse amor foi demonstrado num ato de serviço.
Da mesma forma, pode-se encontrar na vida de um discípulo de Jesus o desejo de servir ao próximo. A capacidade de se doar aos seus semelhantes é marca distintiva naqueles que nasceram do Espírito. Por isso, são chamados de cristãos.
Portanto, a igreja do Senhor precisa de verdadeiros cristãos, homens e mulheres que estejam dispostos a encarar os custos de imitarem a Cristo.
Que Deus nos conceda a graça de nos parecermos mais com seu Filho. Amém!

 

Fonte: Crítica Sagrada