A Mulher que glorifica a Deus  

Ana Chagas

 

 

 

 

Texto básico: “Enganosa é a graça e vã, a formosura; mas a mulher que teme ao Senhor, esta será louvada.” (Pv 31.30)


Muito se fala acerca da Mulher em nossos dias a engrandecendo, principalmente na época em que se comemora o Dia das Mães, porém, outros denigrem a sua imagem, tanto com palavras quanto por atitudes, até mesmo ela própria, em muitos casos. A partir desta realidade, é necessário fazermos uma análise da imagem da mulher no nosso cotidiano nos meios de comunicação, propaganda, etc., perante si mesma e, finalmente, perante Deus.

1- Qual é o conceito que a nossa sociedade tem acerca da Mulher?

  • O Movimento Feminista diz que as mulheres têm que ser independentes e que não precisam dos homens para coisa alguma. Sabemos que isso fere o que Deus falou acerca do homem e da mulher no Jardim do Éden.

  • Geralmente, na mídia ou até mesmo na área do turismo, a imagem da mulher está relacionada à prostituição, ao uso de bebidas alcoólicas e desmoralização e desvalorização do seu corpo e de sua moral.
    Mas há mulheres que procuram andar de forma honrosa, e ainda assim, infelizmente, não são valorizadas, mas desprezadas, maltratadas e até mesmo violentadas pelos seus próprios maridos e/ou companheiros.

Felizmente, ainda encontramos mulheres que são respeitadas e valorizadas, tanto em seu lar, quanto na área profissional, e em outras áreas da sua vida; e isto só é possível quando nos voltamos ao padrão bíblico de relacionamento.

2- Que conceito a mulher tem acerca de si mesma?

  • Há algumas mulheres que hoje são traumatizadas porque sofreram violência sexual na infância ou na adolescência, muitas vezes, no próprio seio familiar;

  • Há também mulheres que têm desmoralizado a si mesmas, não se dão o respeito e fazem tudo que for preciso para ter o que um trabalho digno lhe daria ou coisas mais caras que sabe que não tem condições, mais quer ter de todo o jeito;

  • Há, ainda, mulheres que se consideram incapazes de grandes realizações, não sabem do grande potencial que Deus lhes deu. Segundo a Ciência, Deus dotou a mulher de uma capacidade peculiar de poder realizar várias atividades ao mesmo tempo com criatividade e eficiência; por isso muitas empresas têm reconhecido este fato e têm contratado mais mulheres nos últimos anos.

3- Quais são os propósitos de Deus para a vida da Mulher?

  • Deus criou o homem, de modo geral, para o louvor da sua glória, ambos devem viver uma vida que glorifique a Deus. Portanto, todos os papéis que a Mulher exerce, devem ser dirigidos pela Palavra do Senhor, a fim de glorificá-lo.

  • Ele a criou também para ser a adjutora, isto é, ajudadora, auxiliadora, aquela que completa o seu marido.

A mulher atualmente exerce muitos papéis ao mesmo tempo: mulher, esposa, mãe, dona de casa, vizinha, funcionária, chefe em repartições, etc. Mas, como exercer estes papéis de forma que agrade a Deus? A mulher que teme a Deus deve ser diferente em todo o seu proceder, de tal forma, que aqueles que puserem seus olhos nela percebam que ela é uma serva do Senhor (Pv 31.23).

A Bíblia nos mostra o modelo da mulher virtuosa:

  • Sábias (Provérbios 14.1); 

  • Prudentes (Tito 2.4);  

  • Que ama o marido e filhos (Tito 2.4);

  • Exemplares (Tito 2.4);  

  • Boas donas de casa (Tito 2.5); 

  • Moderadas (Tito 2. 3 e 5);

  • Submissas (Tito 2.5);

  • Ela deve ser uma esposa que proceda de tal forma que o seu esposo perceba e elogie (Pv 31.28b-30);

  • É submissa ao seu esposo em amor. Claro que também é ordenado ao homem por meio da Palavra de Deus que ele deve honrar e amar sua esposa da mesma forma como Cristo amou a sua Igreja e a si mesmo se entregou por ela, ou seja, este amor é tão forte, que deve ser capaz até mesmo de sacrificar-se em prol da felicidade do outro; e o Senhor, inspirando o Apóstolo Paulo, ainda diz ao homem que a esposa tem direito sobre o corpo dele, e não ele mesmo, assim como a mulher não tem direito sobre o seu próprio corpo, e sim, o marido. Este princípio confronta o conceito atual da sociedade feminista, o qual busca de forma insana a total independência feminina e despreza a autoridade da qual Deus mesmo investiu o homem perante a criação e perante a mulher (Ef 5.22-29; I Co 7. 3-5; Rm 12.2). Esta submissão é pautada na Palavra de Deus (Tt2.5);  deve ser produzida pelo amor a Deus, independente de receber ou não do marido o amor igual àquele com que Cristo amou a igreja (Ef 5.22-28; I Co 13.1-8);  deve ser gerada no coração da mulher pela obediência à Palavra de Deus, e não será necessário ser-lhe exigida (Ef 5.21).

  • Boas vizinhas- Se aquela viúva que clamou a Eliseu não fosse uma boa vizinha, com certeza não teria conseguido todas as vasilhas, de todos os seus vizinhos; pois só temos liberdade de pedir algo emprestado de alguém com quem convivemos bem e que sabe que está colocando algo que lhe pertence nas mãos de alguém que é zeloso e confiável (II Rs 4. 1-7);

  • Boas empreendedoras/ trabalham de forma autônoma/ nos dias atuais também trabalham em empresas; e por sinal, tem tido muito destaque nos últimos tempos (Pv 31.10-31).

Entretanto, há algumas questões a considerarmos acerca deste ponto, à luz da Palavra de Deus:

A. Ela não espera apenas pelo marido (Pv 31.11;24) ; é trabalhadeira e procura saber fazer algo que lhe seja uma fonte de renda alternativa.
A mulher pode até não saber fazer determinado tipo de trabalho, mas, se souber aproveitar as oportunidades, ela terá aptidão para alguma coisa rentável (bolinho, pintura, crochê, costura, etc.) sempre haverá algo com que ela se identifique. O que ela não pode jamais é cruzar os braços diante das dificuldades: Esta mulher do texto de Provérbios nos ensina este princípio.


B. A mulher pode trabalhar fora, desde que isto não venha comprometer o bom andamento da sua casa, desde que saiba administrar o tempo e as diversas atividades de forma que, nem seus filhos nem o seu marido tenham queixa alguma ao seu respeito (Pv 31.27 e 28).

O trabalho fora de casa requer um grande esforço por parte da mulher, porém ela jamais poderá negligenciar, em detrimento deste emprego a determinadas coisas, como:

  • O tempo de Deus- O cultivo da vida espiritual/Comunhão com Deus não pode jamais ser desprezado;

  • O tempo que deve reservar para si mesma- É necessário que ela respeite os limites do seu organismo: Fazer as refeições nas horas certas, dormir pelo menos oito horas de sono por noite, se possível duas destas oito horas antes da meia- noite- segundo os médicos especialistas. O descuido com estes cuidados tem levado muitos ao que chamamos hoje de “A doença do século”: Estafa física e psíquica, depressão, síndrome do pânico, etc. Todo extremo é perigoso: A ociosidade é perigosa à nossa saúde e o hiper- ativismo também;

  • O tempo reservado para o esposo- A Bíblia diz que não devemos nos negar um ao outro (I Co 7.3-5) Para que não sejamos tentados por Satanás;

  • O cumprimento da Palavra de Deus em relação ao papel do homem e da mulher no Lar- ( Ef 5.22-24)  Geralmente, a mulher que cresce e se destaca no trabalho secular, e passa a ganhar mais que o seu marido; ou que trabalha mas o seu marido está desempregado, não pode achar que tal circunstância lhe dá o direito de ditar as ordens no Lar, ou que pode exercer autoridade sobre o seu marido. Isto seria antibíblico;

  • O tempo reservado aos filhos- Temos observado que a estrutura familiar tem sido fortemente afetada pela total ausência dos pais, cada um no seu papel: Pais ausentes na Autoridade, no ensino, no lazer e no exemplo (Dt 6.6-7; Ef 6.4); mães ausentes na companhia, no lazer, no carinho e na disciplina (Pv 29.15; Pv 23.13-14; Pv. 22.6)
    Muitos pais têm confundido carinho e presença com presentes e mais presentes; muitas vezes até mais caros do que cabe no orçamento familiar; só como uma tentativa insana de preencher o vazio da inconsciente, mas real omissão à verdadeira necessidade dos seus filhos, que é a presença genuína dos seus pais.

    “Ser presente na vida de alguém não é passar o dia inteiro com ela, mas é fazer do tempo que estiver com ela, momentos relevantes e marcantes para a construção de sua vida e personalidade.” (Ana Chagas)

 Faz-se necessário, que não sejamos apenas leitoras ou ouvintes da Palavra de Deus, mas que possamos ser praticantes. Pois a prática evidencia que realmente conseguimos apreender e absorver o aprendizado. Vivamos, portanto, dentro dos preceitos de Deus para que a Sua Palavra não seja blasfemada (Tt 2.5b).
Que o Senhor nosso Deus esteja fortalecendo a cada uma de nós na caminhada, a qual é muito desafiadora; pois nos leva a renunciar à nossa própria vontade para que o Senhor apareça em nós, para que sejamos o reflexo da Sua Glória em todo o nosso viver, principalmente nos relacionamentos dentro do nosso Lar. 


Fonte: Blog Auxiliadora Feminina (Texto Comemorativo do Dia Internacional da Mulher)